quinta-feira, 24 de dezembro de 2009

Mais um ano



Mais um Natal, mais um ano, e tudo passa tão depressa que por vezes nem consigo saborear a vida.
É por isso que hoje, dia 24 de Dezembro de 2009, quero agradecer por mais um ano em que estou vivo, mais um ano em que amo e sou amado, mais um ano por uma familia fantástica, uma Mãe perfeita, humilde e amiga, um companheiro adorável, amigos fabulosos, colegas chatos mas que não os trocaria por nada. Quero agradecer a alegria de viver neste mundo, de poder ter opção de escolha (mesmo que muitas delas tenham sido erradas), de ter passado por tudo e de vir a passar por muito mais. Quero agradecer todas as pessoas que me passaram na vida e as que estão a passar. Quero agradecer simplesmente estar vivo! Que todos tenham um dia de Natal cheio de muitas coisas boas, mesmo que seja só de sorrisos e de um simples "Amo-te". Obrigado...e adoro-vos! P.S. não se esqueçam de dizer "Amo-te", mesmo que seja a pessoa que passa ao nosso lado na rua.

terça-feira, 22 de dezembro de 2009

Into the Wild


Existem filmes bons, filmes maus, filmes assim assim, filmes que nos fazem chorar, filmes que nos fazem rir, filmes que nos arrepiam. Mas são poucos os que nos tocam na alma, no nosso Eu, e que nos fazem pensar. Into the Wild não só é um desses filmes, mas bem como um filme apaixonante, intigrante e arrepiante. Um filme que me fez questionar tudo e ao mesmo tempo agradecer tudo o que me rodeia.
Paisagens lindas, relações humanas que se completam, cumplicidades arrebatadoras, e um amor sempre coerente e presente.
Amei e por isso permito-me em dizer que é o filme da minha vida.
E não esqueçam de prestar atenção a banda sonora que é um elo de ligação entre o ser humano, a paisagem e o universo que rodeia. Banda sonora essa que não consigo deixar ouvir.

quarta-feira, 16 de dezembro de 2009

My Top 10 Gayest Albuns




10. Prince - Lovesexy

09. David Bowie - Hunky Dory

08. Alison Moyet - Singles
07. OST - Hedwig

06. Kate Bush - The Whole Story
05. Goldfrapp - Supernature

04. Annie Lennox - Diva / Jay Jay Johanson - Rush

03. Roysin Murphy - Overpowered / Patrick Wolf - Magic Position

02. Perry Blake - California

01. Madonna - Confessions on a Dancefloor

sexta-feira, 11 de dezembro de 2009

Se tens um problema e ele tem solução, para quê preocupares-te?
E se ele não tem solução, para quê preocupares-te também?

quarta-feira, 2 de dezembro de 2009

Thoughts....


Olha para humanidade toda num mar de tristeza, e a razão é que ela foi condicionado a ser triste.
A religião das pessoas não permite que elas cantem, riam e dancem, porque as pessoas que riem, cantam e dançam são fundalmentalmente de caráter independente.
Elas têm certa singularidade e individualidade próprias. Elas não são escravas, e não concordam em ser escravas, qualquer que seja a consequência.

sexta-feira, 13 de novembro de 2009

Hoje bem, amanhã muito melhor



Por mais que a vida me tente derrubar, por mais que crescam pedras e barreiras tentanto impedir que eu seja feliz, podem acreditar que todas elas não são mais do que uma lição na minha Grande Existência e que eu as irei ultrapassar, derrubar e até eliminar! Sou forte e sou Humano. Erro e hei-de continuar a errar todos os dias, mas nada irá apagar a minha alegria de viver e de amar.Nada!

quinta-feira, 12 de novembro de 2009

quarta-feira, 28 de outubro de 2009

segunda-feira, 26 de outubro de 2009

Quero sentir o teu olhar a tocar a minha pele
O teu abraço a fazer-me sorrir
Sentir o teu corpo encostado ao meu
A força das tuas mãos nas minhas costas
Os teus lábios enrolados aos meus

Quero-te e
por te querer assim tanto .... dói!
Acorda
antes que seja tarde demais!!!

sexta-feira, 16 de outubro de 2009

Morrer como um Homem

Nunca fui e nem sou apreciador da arte do "travestismo", sou simplesmente admirador de pessoas que com Garra lutam pelo o que querem para si próprias.
Infelizmente não consegui ver este filme mas acredito que essa Garra está patente, nem que seja pela força das personagens que é de lhes fazer uma vénia.

sexta-feira, 11 de setembro de 2009

Trago dentro de mim uma solidão que me devora
Pior que qualquer dor!
Uma solidão de nao conseguir erguer-me de manhã e lutar
Uma solidão de nao saber para onde olhar!
Sinto falta de um abraço, um carinho
Sinto falta de colo
De um comprimido que por 24h me faça viver outra vida!
Não quero fugir
Simplesmente hoje e agora
Não sei que caminho seguir
Não sei sorrir!

Mas também quem disse que a vida será um mar de rosas?
A minha pode hoje não me sorrir
Mas amanhã, e com calma, irei aprender
A sorrir de outra maneira.

Sinto a tua falta
Onde queiras que estejas.

segunda-feira, 7 de setembro de 2009

Lost touch with my soul
I had no where to turn
I had no where to go
Lost sight of my dream,
Thought it would be the end of me
I thought I’d never make it through
I had no hope to hold on to,
I thought I would break

I didn’t know my own strength
And I crashed down, and I tumbled
But I did not crumble
I got through all the pain
I didn’t know my own strength
Survived my darkest hour
My faith kept me alive
I picked myself back up
Hold my head up high
I was not built to break
I didn’t know my own strength

Found hope in my heart,
I found the light to life
My way out the dark
Found all that I need
Here inside of me
I thought I’d never find my way
I thought I’d never lift that weight
I thought I would break

I didn’t know my own strength
And I crashed down, and I tumbled
But I did not crumble
I got through all the pain
I didn’t know my own strength
Survived my darkest hour
My faith kept me alive
I picked myself back up
Hold my head up high
I was not built to break
I didn’t know my own strength

There were so many times I
Wondered how I’d get through the night I
Thought took all I could take

I didn’t know my own strength
And I crashed down, and I tumbled
But I did not crumble
I got through all the pain
I didn’t know my own strength
Survived my darkest hour
My faith kept me alive
I picked myself back up
Hold my head up high
I was not built to break
I didn’t know my own strength
(Whitney Houston)

My path right know!

terça-feira, 1 de setembro de 2009




When "bad" things happen to "good" people, it's often because they want to become even better teachers, guides, and helpers to those precious souls who will one day need them to be their rock.


Plus, today's bad is always tomorrow's boon, no matter who you are, no matter what has happened, and no matter how weak the coffee was.

sexta-feira, 14 de agosto de 2009

Uma lição de mim para mim

Em momentos dificeis, de aflição, por vezes de quem menos esperamos sentimos um abraço, um sorriso, uma atenção especial.
Ao longo destes últimos dias tenho passado por problemas complicados e os quais foram todos criados por mim.
Problemas esses que me envelheceram, que me fizeram bater bem lá no fundo, de forma descontrolada e desesperada. Chorei, esperniei, deixei de cantar, de sorrir...até pensamentos que ninguém deve ter os tive. Isolei-me e voltei a fechar-me, porém graças a pessoas fantásticas consegui abrir o meu coração e sentir uma luz de esperança.
Não voltei a sorrir mas voltei a acreditar.
Acredito que o que o futuro me trouxer será sempre bem vindo, e por alguma razão o que vier terá um significado, um ensinamento.
Acredito que tudo será melhor, que tudo tem uma grande e boa solução, basta não deixa de acreditar.

Não vale a pena pensar e dizer que poderia ter feito as coisas de outra forma, que não deveria ter ido pela esquerda quando o caminho seria o da direita, o da esquerda também me trouxe tanta coisa boa...tanta!
Agora, eu sei que sou capaz de ultrapassar tudo, e que toda a gente consegue o mesmo, basta somente acreditar em si próprio e abrir os braços para este mundo maravilhoso e belo.

Todos os que estiveram ao meu lado, de uma maneira ou de outra, obrigado por estarem aí e podem acreditar que eu sou forte e capaz de ultrapassar tudo.

Obrigado...

segunda-feira, 3 de agosto de 2009

sexta-feira, 26 de junho de 2009

To Michael....this is my small tribute to the King! RIP


In my hallucination
I saw my beloved's flower garden
In my vertigo, in my dizziness
In my drunken haze
Whirling and dancing like a spinning wheel

I saw myself as the source of existence
I was there in the beginning
And I was the spirit of love
Now I am sober
There is only the hangover
And the memory of love
And only the sorrow

I yearn for happiness
I ask for help
I want mercy
And my love says:

Look at me and hear me
Because I am here
Just for that

I am your moon and your moonlight too
I am your flower garden and your water too
I have come all this way, eager for you
Without shoes or shawl

I want you to laugh
To kill all your worries
To love you
To nourish you

Oh sweet bitterness
I will soothe you and heal you
I will bring you roses
I, too, have been covered with thorns
(
from the Love Poems of Rumi)

quinta-feira, 18 de junho de 2009

Doce Pimentinha

Ando numa fase em que é Elis pra cá, Elis pra lá, e enquanto me envolvo em conhecimentos sobre a minha cantora favorita, descubro este texto que não posso deixar de partilhar. Não fui eu que o escrevi mas digo que adorava poder ter sido eu a escrever. É tudo o que eu sinto e muito muito muito mais. Obrigado minha Doce Pimentinha!

"Quando a vida me prega partidas
eu oiço-a. Oiço-a dizer «agora, a vida não é mais um rasto indefinido, um agrupamento de pontos, de partículas». A voz tremelicando no começo daquele show gravado pelo irmão numa cassete manhosa, a vida por um fio, o tempo em descontos, e eu arrepiado a mostrar o som roufenho do CD e a exclamar «vê bem onde pode chegar o sentimento, a tristeza e a noção de fim». Quando a vida me sorri e a tranquilidade me ilumina a noite do Alentejo, eu oiço-a cantar «eu quero uma casa no campo / Onde eu possa ficar do tamanho da paz / E tenha somente a certeza / Dos limites do corpo e nada mais».

Oiço-a como se fosse uma crença, como se de uma missa se tratasse, religiosa e dedicadamente, algo em que acredito para lá dos meus sentidos, algo que me ultrapassa e deixo que me ultrapasse sem interrogações maiores do que aquela que a sua voz desencadeia a cada vez que a oiço: como foi possível ser tão verdadeira num mundo tão estupidamente falso?
Oiço-a no Festival de Montreux , deixando que se sinta na voz que o canto se transforma em sorriso, e o sorriso em riso, e sinto como ela terá sentido que a música entra por nós dentro e a seguir é a torrente de energia e paixão que se solta sem controlo, sem medida, porém sem mácula.
Oiço-a num dia de Verão, há anos, e quando alguém me telefona a dizer «nasceu a tua sobrinha Madalena», é dela que me lembro. Telefono para a clínica e, quando a minha irmã atende, disparo o disco: «Até a lua se arrisca num palpite/ que o nosso amor existe / forte ou fraco, alegre ou triste».
Estou a escrever e, claro, estou a ouvi-la. Recebo dela energia, paixão e sensibilidade. Como um daqueles fenómenos da natureza que nos assustam mas ao mesmo tempo fascinam, sou impotente perante esta força, esta massiva dose de fogo e vento. Deixo-me arrastar, «olha o arrastão entrando no mar sem fim», e quero, como ela quis, «um mundo feito sem porta, vidraça», «uma estrada que leve à verdade», «beijar de leve a face da lua».
Quero ouvi-la e saber que está por perto. Aquele sorriso maroto, as mãos meio enfiadas na boca, o olhar tão meigo quanto perspicaz. As «saídas» inesperadas, loucura pura e inocente, um «grito de raiva e de dor» seguido de uma piada fora de tempo. O que eu gosto nela é essa surpresa permanente, a imprevisibilidade, a capacidade de amar sem reservas mas, também, sem a lógica milimétrica das tolas «regras do amor». O que eu gosto nela é tudo o que a voz revela, canção a canção, palavra a palavra, letra a letra, porque muitas vezes ela soma as letras enquanto canta: paixão e entrega. O que escasseia nos universos formatados a que «pertencemos», e que nos tramam a cada esquina mais apertada dos dias.
Oiço-a porque estou bem, porque me falta a paciência, porque estou triste, porque estou optimista, porque quero emigrar, porque sim. Oiço-a sem reservas, como se deve amar quando realmente se ama, e aceito-a como ela é. Submeto-me na exacta medida da capacidade que tenho em compreender a sua estranha forma de estar
... Há vinte anos que penso isto, vivo isto, e dependo disto. Os meus dias não seriam iguais sem esta voz, esta figura, esta personalidade fascinante, este «falso brilhante» que para mim foi sempre mais verdadeiro do que a própria verdade. Um dia, tinha 17 anos, acordei e ouvi na rádio que ela tinha morrido. Não acreditei, porque só acredito no que quero. Não aceitei, porque só aceito o que vem por bem. Não registei, porque nada me obriga a arquivar o que não pode ser arquivado. Até hoje.
... Enquanto eu ouvir Elis Regina, podem dizer o que quiserem. Só não me digam que morreu. Porque eu morro com ela. E, até novas ordens, quero continuar vivo. Com ela por perto."
(autor: Pedro Rolo Duarte)

segunda-feira, 8 de junho de 2009

quinta-feira, 4 de junho de 2009

My last sigh



I give up

on trying to be happy

on trying to smile

to laugh.
I give up

on me
on trying to be someone
on life.
I'm tired
no strength
to fight more.
I just give up

give up...

quarta-feira, 27 de maio de 2009



Oferecemos o melhor que somos
e tratam-nos como se nada fossemos!

terça-feira, 19 de maio de 2009

A turma do barclaycard

"Meu nome é Ana Martins...disse-me! disse-me!..." - Vanessa Norberta
"Ai se eu pudesse e tu deixasses, era eu aqui e tu ali" - Eu
"É pudim danone, não pares não pares, é pudim danone...oh si si cariño quedate aqui" - Carlota Jaquina
"Cachorras, cheguei!" - Lidia Bobone
"Satisfaz-me 2 vezes (twix)" - Fáfá de Sacávem

quinta-feira, 14 de maio de 2009

Quiz...

Who is she?
Female singer, a R&B soul Diva, Funky, Genious.....

terça-feira, 12 de maio de 2009

Descobri esta musica de forma inconsciente, numa altura decadente. Hoje recordo-a com alegria e considero-a como sendo a minha música. Obrigado Joni!

quinta-feira, 30 de abril de 2009

Confusão


Quero gritar de tristeza
De uma dor que permanece em mim
E teima em não querer voar para bem longe!
Quero gritar para acordar
Para poder ser normal num caminho
Que teima em se desviar.
Dor, tristeza, choro, angústia, raiva
Cansaço, lágrimas
Sentimentos de anos
Carregados por tantos tempos
Num espaço vazio
De solidão.

sexta-feira, 17 de abril de 2009

Para: Fáfá de Sacavém, Carlota Jaquina, Cachorra e Cândida white flower



Ontem a minha vida levou um estalo. Um estalo que é bom, pois acredito que uma mudança nas nossas vidas só pode ser sempre para melhor. Pior nunca, não acredito! Porém fiquei com uma sensação de tristeza e de vazio. Uma sensação de agonia, angustia.
Por motivos profissionais tive a noticia que iria mudar de lugar fisico e que iria ficar longe de pessoas de quem eu adoro e amo muito. Pessoas que me fazem sorrir, me fazem ficar preocupado por elas...pessoas que conheci e deram um novo sabor e sentido à minha vida e, podem acreditar, fizeram-me crescer a cada dia que passa.
Cada uma delas com uma forma de estar e de lidar diferente, mas que num todo me completam, me dão energias para seguir de cabeça erguedia e saber olhar sempre em frente.
Sei que irei sentir este aperto durante muito muito tempo, mas também sei que os grandes amigos, apesar do espaço fisico ser diferente e de nos deixarmos de ver todos os dias, estão e estarão sempre na minha mente e no meu coração.
Acreditem se quiser mas elas são pessoas FANTASTICAS, ÚNICAS. São uma riqueza na vida de qualquer ser humano. Obrigado!
Adoro-vos e vós sabeis quem sois...
Estou aqui

quinta-feira, 16 de abril de 2009

Abro la puerta, no digo nada,
dejo que entre el sol.
Dejo de lado los contratiempos,
tanta fatalidad
porque creo en mi cada mañana
aunque a veces no crea en nada.
Abro alas al pensamiento
y déjo llevar;
vivo y disfruto cada momento
con toda intensidad
porque creo en mi cada mañana
aunque a veces no crea en nada.
Sentir que aún queda tiempo
para intentarlo, para cambiar mi destino.
Abro mis ojos a otras miradas
anchas como la mar.
Rompo silencios y barricadas,
cambio la realidad
porque creo en mi cada mañana
aunque a veces no crea en nada.

quarta-feira, 15 de abril de 2009

Ana Torroja


11 Porque Te Vas (Mit Ana Torroja) - Schiller







Hang on to yourself


Existem alturas na vida que queremos estar sozinhos, para podermos respirar, suspirar, mas essencialmente para com isso nos sentirmos livres de tudo, de todos, e ate de nos próprios. Com isso por vezes acabamos por magoar quem não queremos. Pessoas que nos são queridas e que zelam por nós. Por vezes sem querer, outras propositadamente, mesmo que não seja essa a nossa verdadeira vontade interior. Acabamos por nos abstrair e sair deste nosso mundo, desta nossa realidade e passamos a viver no mundo da ilusão, fantasia, ou da magia. Magia essa que por vezes pode ser negra. Mas enfim, é a vida e as leis da vida de quem sofre pelas mais variadas razoes, e para quem faz sofrer, talvez um dia consigamos entender o que realmente fizemos de errado. Mas no fim iremos acabar com o mesmo sentimento. Querer estar sós, sermos só nossos, a nossa alma, o nosso corpo. Tentamos muitas vezes ser solipcistas, mas se não tivermos cuidado, podemos acabar na mais profunda solidão. Não porque não temos vida própria, amigos, filhos, maridos, namorado (a), família, mas sim porque acabamos por nos perder dentro de nos mesmos, por nossa própria intuição, ou por motivos mais fortes que vão para além da nossa própria existência física e mental. Ninguém, ou muito pouca gente gosta de estar só muito tempo, de sentir solidão, mas por vezes temos que passar por esses momentos para podermos dar valor a outros, a outras coisas, a outras pessoas na nossa vida, que não dávamos ate então. Podemos até estar rodeados de pessoas, bem no centro de uma multidão, de um milhão de pessoas, que mesmo assim nos sentiremos sós. Temos que ser fortes o suficiente para podermos dar a volta por cima e sairmos desse estado, para uma vez mais podermos dar valor a vida e deixar de querer estar sós incondicionalmente. A amar-mos, e a deixarmo-nos ser amados….

quinta-feira, 9 de abril de 2009

Eu sei que esta altura do ano é de reflexão, familia/amigos, ajuda ao proximo, mas também tenho a certeza que um bom sorriso deve estar reflectido em todos nós. Esta a minha prenda para todos, algo que vos faça sorrir e esta é a minha pequena contribuição...Boa Pascoa para todos!

terça-feira, 31 de março de 2009

Isolo-me de tudo
Do mundo, do universo
Se alegrias e tristezas
Que de tão poucas
Conseguem ser absortas.
Isolo-me
Para me encontrar
Rir e chorar
Momentos perdidos
E outros ganhos.
Isolo-me de gritos
Promessas e sorrisos
De ser e não saber viver!

terça-feira, 24 de março de 2009

Vai um abraço em Grupo?

Para o PGuilhermino


With the touch of a smile

Afinal o que é o Béribéri? (eheheh)

"O beribéri é uma avitaminose, isto é, uma doença causada por uma carência vitamínica, neste caso, a falta de uma vitamina hidrossolúvel do complexo B, a vitamina B1.
Esta carência conduz a um quadro clínico de fraqueza muscular, emagrecimento, alterações do sistema circulatório e digestivo, surgimento de dificuldades respiratórias, lividez e edemas. Podem ainda surgir alterações ao nível do sistema nervoso, originando paralisias musculares, perca de equilíbrio e crises nervosas.
A vitamina B1 pode ser encontrada num leque alargado de alimentos - por exemplo, pão, batatas, fígado, leite, legumes frescos e secos e ovos, entre outros -, sendo uma doença endémica em algumas regiões da Ásia, África e também da América do Sul, onde as populações se alimentam quase exclusivamente de arroz descorticado."

Carlota Jaquina, não queres mandar vir esta promoção?

Patrick Wolf - Vulture

terça-feira, 10 de março de 2009



um sonho de um desejo
transformado em um sorriso
um abrir do um céu
coberto de luz
são assim os teus olhos quando olham nos meus
quando risonhos me despem
de cor e tristezas.

segunda-feira, 9 de março de 2009

More Madonna in Lisbon

Para os que não tiveram a sorte de a poder ver mesmo ali a frente, aqui vai uma lembrança da sua passagem por Lisboa ... eu tive, eheheheh!!!! sorry!





terça-feira, 3 de março de 2009


Whose sticky hands are these?
And what is this empty place
I could be happily lost
but for your face
Here stands an empty house
That used to be full of life
Now it's home for no one and his wife
It's a hovel and...
Who can take your place?
I can't face another day
And who will shelter me?
It's cold in here
Cover me
Under these fingertips a
strange body rose and dips
I close my eyes and you're here again
Later as day descends
I'll shout from my window
To anyone listening, "I'm losing"
Who can take your place?
I can't face another day
And who will shelter me?
It's cold in here
Cover me
Oh in a plague of hateful questioning
Tap dancing every
syllable from ear to ear
I hear the din of lovers jousting
When I'm hiding with my head to the wall
Who will shelter me?
It's cold in here
(Alyson Moyet)

sexta-feira, 27 de fevereiro de 2009

E para o inicio de mais um fim-de-semana, de dois dias de descanso e de muita muita ronha, vou deixar aqui pequenos exertos da última passagem da Madonna por Lisboa...quero mais mais e mais...


Candy Shop (Live in Lisbon).mp3 - Madonna


Borderline (Live in Lisbon) - Madonna


4 La Isla Bonita - Doli Doli (Live in Lisbon).mp3 - Madonna


5 Express Yourself - Hung Up - (Live in Lisbon).mp3 - Madonna